Vanise Rezende - clique para ver seu perfil

OS RACIOCÍNIOS DO CORAÇÃO

15 de agosto de 2014



"Todos dizem que o cérebro seja o órgão mais complexo do corpo humano, como médica posso até estar de acordo, mas, como mulher asseguro que não há nada de mais complexo do que o coração, ainda hoje não se conhecem todos os seus mecanismos. Nos raciocínios do cérebro há lógica, nos raciocínios do coração, as emoções”.


A citação acima, da médica judia italiana Rita Levi Montalcini - divulgada na internet pelo Hospital Bambino Gesù de Roma - é carregada de sentido por ser de autoria de uma mulher que alcançou grande proeminência por sua atividade científica, política e cidadã. Ela viveu ativamente até os 103 anos de idade.

Rita Levi Montalcini (1909/2012) foi senadora vitalícia da Itália e ficou conhecida como a Senhora das Células pela descoberta do fator de crescimento do nervo (NGF), uma proteína que faz as células em desenvolvimento crescerem, estimulando o tecido nervoso circundante. Sua pesquisa - realizada com a participação de Giuseppe Levi, seu colaborador - trouxe um aporto significativo para o desenvolvimento do estudo do câncer e das doenças cardiovasculares como Alzheimer e Parkinson. Em 1986 ela recebeu o Prêmio Nobel de Medicina junto com o norte-americano Stanley Cohen, que conhecera nos Estados Unidos onde viveu por trinta anos.

A biografia de Rita Levi Montalcini exalta o seu conhecimento reconhecido em todo o mundo, mas não fala do que se passava no seu coração de mulher. Por ser judia, sua família lutou para sobreviver no período nazista. Na segunda guerra mundial ela atuou como médica em Florença, na Itália, e no início dos anos sessenta participou da atividade do Movimento de Liberação Feminina pela regulamentação do aborto. Em 1975 tornou-se a primeira mulher a ser membro pleno da Academia Pontifícia de Ciências do Vaticano. Em 1999 foi nomeada embaixadora da Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a fim de contribuir na sua campanha contra a fome no mundo. Ganhou inúmeros prêmios por suas contribuições à pesquisa médica e científica.





"As mulheres constituem igualmente, ao lado dos homens, um imenso depósito de potencialidades, embora ainda distanciadas de uma plena paridade social". 

Com Paula, sua irmã gêmea, criou a Fundação Rita Levi-Montalcini que apoiou a realização de um projeto denominado “Um convite às meninas Tuareg”.  O projeto motivou a promoção de uma campanha de doação de bolsas de estudo destinadas à escolarização secundária e à educação sanitária de jovens líderes africanas.  




O objetivo principal do projeto foi o de criar um primeiro núcleo de jovens mulheres africanas com formação superior, numa área onde não havia acesso a esse nível de educação escolar. Inicialmente foram oferecidas bolsas de estudo a trinta jovens Tuareg que viviam nas vilas periféricas da cidade de Agadez (Nigéria), de modo que colaborassem no desenvolvimento de lideranças  politicas e sociais no país.  



O impacto do projeto resultou como uma fundamental contribuição para a construção de uma visão inovadora de cooperação na Comunidade Européia. "A cooperação internacional - diz o projeto - ao lado da criação de oportunidades iguais à instrução-formação, representam uma ocasião preciosa para consolidar os valores da participação, da solidariedade e da democracia e para reforçar a coesão social das comunidades, fatores igualmente determinantes para o desenvolvimento local e regional"






Rita Montalcini afirmava que se sentia uma mulher livre. Crescida em “um mundo vitoriano, no qual dominava a figura masculina e a mulher tinha poucas possibilidades,” chegou a declarar o quanto se ressentia desse fato: “porque as nossas capacidades mentais – de homem e de mulher – são as mesmas: temos iguais possibilidades e diferentes pontos de vista”.

Sobre os jovens, ela declarava: “Hoje, em confronto com o passado, os jovens usufruem de uma extraordinária amplitude de informações; o preço disso é o efeito hipnótico exercitado pela televisão que tira deles o hábito de raciocinar (além de lhes roubar o tempo a ser dedicado ao estudo, ao esporte e aos jogos, que estimulam a sua capacidade criativa). Assim, é definida para eles uma realidade que inibe a sua capacidade de “inventar o mundo” e destrói o seu fascínio pelo desconhecido.”

Interessou-me a história da Montalcini  porque – embora sendo uma mulher cientista reconhecida em todo o mundo – ela foi capaz de falar e de testemunhar a sensibilidade que pode ser cultivada no coração humano.

Sem a sensibilidade cultivada no coração, como se pode amar a si mesmo de modo a se poder amar um companheiro ou companheira, os filhos, os amigos, as pessoas da própria família? Como seria possível enxergar a dor do outro e respeitar os seus limites, sem a perspicácia do coração? E como se poderia lutar pela melhoria da sociedade onde se vive e da relação entre os povos, não fosse o aprendizado de ampliar a nossa capacidade de “amar a pátria dos outros como a própria", como sugeria Chiara Lubich?


Dois dias depois de completar 103 anos, Montalcini postou uma nota no Facebook dizendo como era importante nunca desistir da vida ou cair na mediocridade e na resignação passiva: “Eu perdi um pouco da visão, e grande parte da audição. Nas conferências, eu não vejo as projeções direito e não me sinto bem com isso. Mas eu penso mais agora do que eu fazia quando eu tinha 20 anos. O corpo faz o que ele quer. Mas eu não sou corpo, eu sou a mente."


------------------------------------

Fonte das informações: 

site www.ritalevimontalcini.org; facebook: fondazione rita montalcini; cronica do jornalista Ricardo De Luca/AP e wikpedia.

Fotografias: wikipedia e facebook. 

A foto-texto foi divulgada na internet pelo Hospedale Bambino Gesù - Roma-IT


Nota:  As imagens publicadas neste blog pertencem aos seus autores. Se alguém possui os direitos de uma dessas imagens e deseja que ela seja removida deste espaço, por favor entre em contato com: vrblog@hotmail.com















Posts + Lidos

Desenho de AlternativoBrasil e-studio