Vanise Rezende - clique para ver seu perfil

BRASIL - SE HAN ABIERTO LAS VENTANAS DEL INFIERNO

21 de fevereiro de 2019



El reconocido escritor y teologo Leonardo Boff  escribe  - con profundidad y sabiduría - sobre estos tiempos sombríos en el  Brasil, lleno de interrogantes e indignación. El mismo tendrá observado la  importancia de lo que apunta para los que lo síguen en su sítio, pues nos brinda la versión de  su texto también en español. 

Sigue la reprodución:


En Brasil se abrieron las ventanas del infierno





 *Leonardo Boff



En Brasil se constata algo innegable: se nota en muchos sectores la irrupción de odio, de ofensas, de palabras gruesas de todo tipo, de distorsiones, de prejuicios y de miles y miles de fake news que, en gran parte, dieron la victoria al presidente actual. Hay también youtubers que falsean la realidad, mezclando palabrotas con burlas y burdo moralismo, sujetos a un proceso judicial.

‘Comunista’ y ‘socialista’ se han vuelto palabras acusadoras. Ni  se  define su significado real, como si estuviésemos todavía en la Guerra Fría de hace treinta años. Cuantos, inclusive uno de los ministros de parcas luces, envían a sus críticos a Cuba, Corea del Norte o Venezuela. La mayoría no leyó una página de la Teología de la Liberación, tenida por marxista. Ignoran su propósito básico: la opción por los pobres y por su liberación, esto es, a favor de la mayoría de la humanidad que es pobre.


En fin, respiramos aires tóxicos. Muchos muestran completa falta de educación y degradación de las mentes. En la campaña electoral esta rabia encubierta salió del armario. Se ha reforzado la violencia preexistente, dando legitimación a una verdadera cultura de violencia contra indígenas, ‘quilombolas’, negros y negras, especialmente contra los LGBTI y los opositores.
Necesitamos comprender el porqué de este despropósito alucinante. Nos iluminan dos intérpretes de Brasil pertinentes aquí: Paulo Prado, Retrato de Brasil - Ensayo sobre la tristeza brasilera (1928) y Sérgio Buarque de HolandaRaíces de Brasil (1936) en su capítulo V: “El hombre cordial”.

Ambos tienen algo en común, al decir de Ronaldo Vainfas, pues «intentan descifrar el carácter brasilero a partir de sus emociones» (Intérpretes de Brasil, vol. II, 2002 p.16), pero en sentido contrario. Paulo Prado es profundamente pesimista caracterizando al brasilero por la lujuria, la codicia y la tristeza.
Sérgio Buarque de Holanda hace diferenciaciones en cuanto a la cordialidad.
«La contribución brasileña a la civilización será de cordialidad, daremos al mundo el “hombre cordial”. La llaneza en el trato, la hospitalidad, la generosidad, virtudes tan alabadas por los extranjeros que nos visitan, representan, en efecto, un rasgo definido del carácter brasileño» (p.106). Pero luego observa: “Sería engaño suponer que estas virtudes puedan significar buenas maneras, civismo” (p.107). Y continúa: La enemistad bien puede ser tan cordial como la amistad, ya que una y otra nacen del corazón” (p.107, nota 157).
Sabemos que del corazón emergen tanto el amor como el odio. La tradición psicoanalítica nos confirma que en él impera el reino de los sentimientos. Estimo que definiríamos mejor el carácter del brasileño si sostuviésemos que su diseño básico no es la razón sino el sentimiento. Y este es contradictorio: puede expresarse como amor y también como odio virulento.
Este lado, esta faceta dual de la “cordialidad”, mejor dicho, del “sentimiento” ambiguo del brasilero adquirió alas hoy y ha ocupado mentes y corazones. Domina la “falta de buenas maneras y de civismo”. Sólo tienes que abrir los sitios, los twitters, Facebook y YouTube para constatar que las ventanas del infierno se han abierto de par en par. De ahí salieron demonios, separando a personas, ofendiendo a figuras tan beneméritas como el medico Drauzio Varella y la figura mundialmente apreciada de Paulo Freire.
La palabra de un incivilizado ocupa el mismo espacio que la del Papa Francisco o la del Dalai Lama. Pero este es sólo el lado de sombra del sentimiento brasileño. Hay el lado de luz, enfatizado antes por Sérgio Buarque de Holanda y también por Cassiano Ricardo. Tenemos que rescatarlo para que no tengamos que vivir en una sociedad de bárbaros en la que nadie más consiga convivir humana y civilizadamente.
No hay por qué desesperarse. La condición del propio universo está  de  orden y desorden (caos y cosmos), las culturas poseen su lado sim-bólico y dia-bólico y cada persona humana está habitada por la pulsión de vida (eros) y la pulsión de muerte (thánatos). Tal hecho no es un defecto de la creación, es la condición natural de las cosas. Las religiones, las éticas y las civilizaciones nacieron para dar hegemonía a la luz sobre las sombras a fin de impedir que nos devoremos unos a otros. Termina pesimista Pablo Prado: «la confianza en el futuro no puede ser peor que el pasado» (p.98). Estamos de acuerdo.





Nos inspira este verso de Agustín Neto, líder de la liberación de Angola: «No basta que sea pura y justa nuestra causa. Es necesario que la pureza y la justicia existan dentro de nosotros» (Poemas de Angola, 1976, p.50).


---------------------------------------------
Leonardo Boff es teólogo, filósofo y escritor – escribió: Reflexiones de un viejo teólogo pensador, a salir por: Trotta, 2019.
Traducción: Mª José Gavito Milano
---------------------------------------------------------------------------
Fuente del texto:



Fuente de las imagens:
1. Imagin inicial – ombre y mar-ow4aaolum.jpg, reproducida de lo sitio: Leonardo Boff, en este artículo. 
2. La sequía - escultura de Abelardo da Hora.
3. La águia y el saque - YouTube.com
4. Retrato de lo angolano Agostinho Neto in: 
http://www.jornalcultura.sapo.ao/eco-de-angola/o-discurso-ecletico-de-agostinho-neto/fotos.

BRASILE - SI SPALANCANO LE FINESTRE DELL'INFERNO


Il riconosciuto scrittore e teologo Leonardo Boff ci offre con arguzia e sapiente profondità una visione dei tempi oscuri che viviamo in Brasile, pieni di interrogazioni e di indegnazione. 


Lui stesso avrà percepito quanto era importante questa sua lettura congiunturale, giacché ci offre anche una versione del suo articolo in  italiano. Così, la riproduciamo qui.  

------------------------------------------ 

Leonardo Boff*

In Brasile si sono spalancate le finestre dell’inferno

C’è una costatazione innegabile riguardo al Brasile: in molti settori è in corso un’alluvione di odio, di offese, di parolacce di ogni specie, di distorsioni, di pregiudizi e di migliaia e migliaia di fake news, che in gran parte hanno contribuito alla vittoria elettorale dell’attuale presidente. Ci sono ancora utenti di YouTube che falsificano la realtà, mescolano parolacce a burle di cattivo gusto e spregevole moralismo, materiale da processo giudiziario.
‘Comunista’ e ‘socialista’ sono diventati epitesi accusatori. Nemmeno si definisce  loro reale significato come se stessimo ancora in piena Guerra Fredda di cinquanta fa. Contando anche uno dei ministri di mentalità ristretta, tanti inviano i loro oppositori a Cuba, nella Corea del Nord o in Venezuela. La maggioranza non ha letto nemmeno qualche pagina della Teologia della Liberazione, fatta da un marxista. Ignorano il loro proposito basilare: la opzione per i poveri e per la loro liberazione, cioè a favore della maggioranza dell’umanità che è povera.
Insomma, respiriamo un’aria avvelenata. Molti mostrano una completa mancanza di educazione e di degrado dell’intelligenza. In campagna elettorale questa rabbia rispolverata è uscita dall’armadio. E’ stata rinforzata la violenza preesistente, legittimando la violenza contro i nativi, contro gli abitanti dei ‘Quilombos’, contro i negri e le negre, specialmente per LGBTI e loro oppositori.
Abbiamo bisogno di capire il perché di questi spropositi che fanno ammattire. Ci illuminano due interpreti del Brasile con discorso pertinente, Paolo PradoRetrato do Brasil: Ensaio sobre a tristeza brasileira (1928) - Ritratto del Brasile: Saggio sulla tristezza brasiliana - e Sérgio Buarque de Holanda: Raízes do Brasil (1936) - Radici del Brasile, nel suo capitolo V, a proposito dell’uomo cordiale.
Ambedue hanno qualcosa in comune come osserva Ronaldo Vainfas, perché “tentano di decifrare il carattere brasiliano a partire dalle loro emozioni” (Intérpretes do Brasil - Interpreti del Brasile - Vol.II, 2002, p.16). Ma nel senso contrario. Paolo Prado è profondamente pessimista analizzando il brasiliano riguardo la lussuria, l’avidità e la tristezza. Sérgio Buarque de Holanda fa delle differenze per quel che riguarda la cordialità.
Il contributo brasiliano alla civiltà sarà la cordialità. Daremo al mondo “l’uomo cordiale, l’eleganza nel tratto, l’ospitalità, la generosità, virtù tanto elogiate dagli stranieri che vengono a visitarci e che rappresentano di fatto una traccia definita del carattere brasiliano” (p.106). Ma subito osserva: “Sarebbe un inganno immaginare che queste virtù possano significare buone maniere, civiltà” (p.107). E continua: “L’inimicizia può essere altrettanto cordiale come l’amicizia, visto che l’una e l’altra nascono dal cuore” (p.107- Nota 157).
Sappiamo che dal cuore emergono sia l’amore che l’odio. La tradizione psicanalitica ci conferma che lì impera il regno dei sentimenti. Penso che definiremmo meglio il carattere del brasiliano se sostenessimo che il suo progetto fondamentale non è la ragione, ma il sentimento. Questo è contraddittorio: si può esprimere come amore e anche come odio virulento.
Poiché questo lato duale della ‘cordialità’, detto più chiaramente del ‘sentimento’ ambiguo del brasiliano, oggi ha messo le ali e ha occupato menti e cuori. Ha dominato “la mancanza di buone maniere e civiltà”.
Basta aprire i sites, il Twitter, il Facebook e YouTube, per constatare che le finestre dell’inferno si sono aperte in concomitanza. Da lì sono usciti i demoni, dividendo le persone, offendendo personaggi benemeriti come il medico Drauzio Varella e il riconosciuto e mondialmente apprezzato educatore Paulo Freire. La parola di uno screanzato occupa lo stesso spazio riservato al Papa Francesco o al Dalai Lama.
Ma questo è soltanto il lato oscuro del sentimento brasiliano. C’è il lato luminoso, enfatizzato come detto sopra da Sérgio Buarque de Holanda e anche da Cassiano Ricardo. Dobbiamo riscattarlo per non essere obbligati a vivere in una società di barbari in cui nessuno riesce a convivere umanamente e in modo civile.

Non c’è motivo di perdere la speranza. Perfino la condizione dell’universo stesso è fatta di ordine e disordine (caos e cosmos), le culture possiedono il loro lato sim-bolico e dia-bolico e ogni persona umana è abitata da una pulsione di vita (eros) e dalla pulsione di morte (thanatos). Questo fatto non è un difetto di creazione. E’ la condizione naturale delle cose. Le religioni, le etiche e le civiltà sono nate per dare egemonia alla luce sulle tenebre, al fine di impedire che ci divorassimo uno all’altro. Conclude il pessimista Paulo Prado: “La fiducia nel futuro non può essere peggiore che quella nel passato” (p.98). Siamo d’accordo.


Ci ispira un verso di Agostinho Neto, leader della liberazione di Angola: Non basta che sia pura e giusta la nostra causa. Sarà necessario che la purezza e la giustizia esistano dentro di noi”. (Poemas de Angola,1966, 50).



-------------------------------
Fonte del testo: https://leonardoboff.wordpress.com/2019/02/08/in-brasile-si-sono-spalancate-le-finestre-dell'inferno/
Versione italiana: Romano Baraglia e Lidia Arato.
* Leonardo Boff ha scritto “Riflessioni di un vecchio teologo e pensatore",
 Vozes, 2019. Da pubblicare in Italia.

-----------------------------------------------------
Crediti delle immagine:
1. Immagine  iniziale - uomo-e-mare-ow4aaolum.jpg, reprodotta dal site Leonardo Boff, in questo articolo. 
2. La seca - escultura di Abelardo da Hora.5. L'aquila e la sua preda - Youtube.com
3. L'aquila e sua preda - YouTube.com

4. Ritratto dell'angolano Agostinho Neto in: 
http://www.jornalcultura.sapo.ao/eco-de-angola/o-discurso-ecletico-de-agostinho-neto/fotos.




BRASIL: ABREM-SE JANELAS DO INFERNO

16 de fevereiro de 2019



O reconhecido escritor e teólogo Leonardo Boff nos oferece - com a argúcia e a profundidade da sua sabedoria - uma leitura possível para esses tempos obscuros, carregados de de interrogações e indignação. 

Ele mesmo deve ter percebido quanto era importante essa leitura, para os que o seguem em seu blog, e nos presenteia com a tradução do seu artigo em espanhol e italiano.  

Assim, o Espaço Poese também oferecerá as traduções, após a presente postagem. Boa leitura!    


No Brasil abriram-se janelas do inferno
Por: Leonardo Boff


Há uma constatação inegável no Brasil: em muitos setores se nota a irrupção do ódio, da ofensa, dos palavrões de todo tipo, da distorção, do preconceito e de milhares e milhares de fake news que, em grande parte, deram a vitória ao atual presidente. Há ainda youtubers que falseiam a realidade, misturando palavrões com zombarias e reles moralismo, sujeitos a um processo judicial.


Comunista e socialista viraram palavras de acusação. Sequer se define o seu real significado, como se estivéssemos ainda na Guerra Fria de há trinta anos. Quantos, inclusive um dos ministros de parcas luzes, enviam seus críticos para Cuba, Coreia do Norte ou Venezuela. A maioria sequer leu alguma página da Teologia da Libertação, tida por marxista. Ignora seu propósito básico: a opção pelos pobres e por sua libertação, isto é, em favor da maioria da humanidade que é pobre.

Enfim, respiramos ares tóxicos. Muitos mostram completa falta de educação e degradação das mentes. Na campanha eleitoral essa raiva enrustida saiu do armário. Foi reforçada a violência preexistente, dando legitimação a uma verdadeira cultura da violência contra indígenas, quilombolas, negros e negras, especialmente os LGBTI e os opositores.


Precisamos compreender o porquê deste despropósito tresloucado. Iluminam-nos dois intérpretes do Brasil, aqui pertinentes: Paulo Prado, Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira (1928) e (Sérgio) Buarque de Holanda, Raízes do Brasil (1936) no seu capítulo V - “O homem cordial”. Ambos têm algo em comum, no dizer de Ronaldo Vainfas, pois “tentam decifrar o caráter brasileiro a partir de suas emoções” (Intérpretes do Brasil, Vol.II, 2002 p.16). Mas, em sentido contrário. 

Paulo Prado é profundamente pessimista caracterizando o brasileiro pela luxúria, a cobiça e a tristeza. Buarque de Holanda faz diferenciações quanto à cordialidade. A contribuição brasileira para a civilização será de cordialidade - daremos ao mundo o 'homem cordial’. A lhaneza no trato, a hospitalidade, a generosidade, virtudes tão gabadas por estrangeiros que nos visitam, representam, com efeito, um traço definido do caráter brasileiro” (p.106). Mas, logo observa: ”Seria engano supor que estas virtudes possam significar “boas maneiras, civilidade” (p.107). E continua: ”A inimizade bem pode ser tão cordial como a amizade, visto que uma e outra nascem do coração” (p.110 - Nota 157).

Sabemos que do coração emerge tanto o amor quanto o ódio. A tradição psicanalítica nos confirma que aí impera o reino dos sentimentos. Estimo que definiríamos melhor o caráter do brasileiro se sustentássemos que o seu design básico não é a razão, mas o sentimento. Este é contraditório: pode se expressar como amor e também como ódio virulento.

Pois esse lado dual da “cordialidade”, melhor dito, do “sentimento” ambíguo do brasileiro, ganhou hoje asas e ocupa mentes e corações. Domina a “falta de boas maneiras e de civilidade”. Basta abrir os sites, os twitters, facebooks e youtubes para constatar que janelas do inferno se abriram de par em par. Daí saíram demônios, separando pessoas, ofendendo figuras tão beneméritas como Dráuzio Varela e como a mundialmente apreciada de Paulo Freire. A palavra de um incivilizado ocupa o mesmo espaço como aquela do Papa Francisco ou do Dalai Lama.

Mas esse é apenas o lado de sombra do sentimento brasileiro. Há o lado de luz, enfatizado acima por Sérgio Buarque de Holanda e também por Cassiano Ricardo. Temos que resgatá-lo, para que não tenhamos que viver numa sociedade de bárbaros na qual ninguém mais consegue conviver humana e civilizadamente.


Não há por que se desesperar. A condição do próprio universo é feita de ordem e desordem (caos e cosmos), as culturas possuem seu lado sim-bólico e dia-bólico e cada pessoa humana é habitada pela pulsão de vida (éros) e pela pulsão de morte (thánatos). Tal fato não é um defeito da criação. É a condição natural das coisas. As religiões, as éticas e as civilizações nasceram para conferir hegemonia da luz sobre as sombras, a fim de impedir que nos devorássemos uns aos outros. Termina o pessimista Paulo Prado: ”a confiança no futuro não pode ser pior do que o passado” (p.98). Concordamos.



Inspira-nos um verso de Agostinho Neto, líder da libertação de Angola: Não basta que seja pura e justa a nossa causa. É preciso que a pureza e a justiça existam dentro de nós (Poemas de Angola, 1976, 50).


--------------------------------


Fonte do artigo:


*Leonardo Boff escreveu: “Reflexões de um velho teólogo e pensador” - Vozes 2019.

---------------------------------

Crédito das imagens:

1. Imagem de abertura: homem-e-mar-ow4aaolum.jpg, reproduzida do site de Leonardo Boff, neste seu artigo. 

2. Mulheres na seca - particular de escultura de Abelardo da Hora.
3. Capa do livro: Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda em: www.estante.virtual.com.br
4. Capa do livro: Retratos do Brasil : ensaio sobre a tristeza brasileira de Paulo Prado, disponível na Livraria Saraiva.
5. Águia e sua presa - Youtube.com
6. Retrato do angolano Agostinho Neto em: 
http://www.jornalcultura.sapo.ao/eco-de-angola/o-discurso-ecletico-de-agostinho-neto/fotos.

Nota: as imagens pertencem aos seus devidos autores. Se algum deles desejar que sejam retiradas deste espaço, por favor entre em comunicação por meio de um comentário.


EDUCAÇÃO - FILMES PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

15 de fevereiro de 2019


Com a missão de “promover a reflexão sobre a linguagem audiovisual tendo o cinema como matriz”, o Coletivo Janela Aberta - Cinema e Educação se propõe a “contribuir na formação cultural e cidadã para o desenvolvimento da consciência crítica e da liberdade de expressão em diversos contextos educativos”. 

O coletivo é formado por  educadores especializados, profissionais de diferentes áreas que  atuam como mediadores – em escolas, faculdades, empresas, comunidades e outras instituiçõesbuscando “facilitar a compreensão da linguagem e da cultura cinematográfica, na perspectiva de uma educação dialógica e transformadora”. O trabalho da equipe abrange quatro frentes:
§  Linguagem e produção audiovisual
§  Mediação e debates
§  Infância e audiovisual
§  Cinema Brasileiro

Cinema Brasileiro
Quanto ao cinema brasileiro, os especialistas oferecem “um panorama histórico das várias fases do Cinema Brasileiro desde a sua origem”, dando visibilidade a uma “produção de filmes de qualidade que é tão vasta e diversa quanto desconhecida do grande público”.
Abaixo, uma sugestão de filmes para crianças e adolescentes – que abordam o direito a educação, moradia, religião, cidadania, discriminação e outros temas que a equipe preparou para a revista "Carta Educação". 
13 filmes que abordam os Direitos Humanos
Por:  Coletivo Janela Aberta – Cinema e Educação

                        Cena do longa metragem “Hoje eu Quero Voltar Sozinho”.
Os educadores Marcos Eça, João Moris e Cláudia Mogadouro, do Coletivo Janela Aberta, produziram um excelente artigo - com dicas de filmes para crianças e adolescentes - em apoio às atividades educativas de pais e professores sobre temas de Direitos Humanos.   
Pensando na Educação para os Direitos Humanos, o cinema é um instrumento poderoso, porque, se bem utilizado, permite que por alguns instantes (minutos ou horas) possamos experimentar a vida de outra pessoa. É bom lembrar que mais importante que a escolha do filme é a mediação realizada.
Um filme, especialmente no âmbito educacional, raramente emociona ou transforma o espectador com a simples exibição. O contexto em que é exibido, os preâmbulos e os debates realizados é que podem garantir uma experiência cultural significativa. E é fundamental que se garanta um bom tempo para os debates, com livre expressão de todas as pessoas envolvidas. De preferência, sem “lição de casa”.
A experiência do audiovisual pode prescindir de produção de textos, mostrando que a troca de ideias é o mais importante e que não há consenso a ser buscado. A experiência com a Arte é muito subjetiva e não há uma verdade final como conclusão. Para realizar uma boa mediação, os educadores devem se preparar muito bem antes da exibição do filme, assistindo-o mais de uma vez e pensando em algumas provocações que podem ser feitas para que as crianças ou adolescentes se sintam instigados a debater.
As escolas devem buscar exibir filmes que fujam ao modelo hegemônico de cinema (o hollywoodiano), correndo o risco das crianças e adolescentes estranharem a obra. O estranhamento faz parte da produção do conhecimento, que é o objetivo da escola. Os filmes “divertidos” e que os alunos “gostam” podem ser vistos em casa. É claro que também não é preciso torturar ninguém.
Nesse aspecto, os curtas metragens oferecem a vantagem do tempo que cabe na aula e do tempo menor de estranhamento. Os filmes longa metragem exigem mais tempo dentro do horário da aula, mais planejamento e, quase sempre, um bom trabalho de introdução e provocação, para que haja adesão dos espectadores durante todo o filme. As crianças pequenas não costumam aguentar muito um filme de longa metragem e acabam dispersando no meio do filme.
Dicas de curtas metragens que podem ser exibidos e discutidos com crianças pequenas (de 5 a 10 anos), mas que são também muito interessantes para maiores e toda a comunidade escolar (pais, funcionários e familiares):
1. Fim do recreio (Brasil, 2012, 17 min, direção de Vinícius Mazzon e Nélio Spréa - O filme trata do direito ao lazer e da importância das brincadeiras na infância. Educação política também se faz com crianças: o curta  fala do direito à cidadania, a partir de um assunto muito forte para elas: o recreio.
Sinopse:
Felipe assiste no telejornal que um senador desenvolveu um projeto de lei para acabar com o recreio nas escolas, como forma de aumentar a produtividade das crianças durante o tempo escolar. Indignado, comenta com seus colegas. Durante uma brincadeira de esconde-esconde, encontra uma câmera da escola e começa a filmar o recreio: as rodas, a corda, os jogos de mão, e tudo o que para ele faz do recreio um momento importantíssimo; assim como os depoimentos dos colegas sobre o projeto de lei. A inspetora descobre a “infração” de Lucas e o leva para a diretora, em cujas mãos a gravação terá um final inesperado…  


 Veja o filme completo
2. Dona Cristina perdeu a memória (Brasil, 2002, 13 min, direção de Ana Luíza Azevedo) -  O filme trata da enriquecedora relação entre uma criança e uma senhora idosa,  que está perdendo a memória. 
Sinopse: 
   Antônio, um menino de 8 anos, descobre que sua vizinha Cristina, de 80, conta histórias sempre diferentes sobre a sua vida, os nomes de seus parentes e os santos do dia. E Dona Cristina acredita que Antônio pode ajudá-la a recuperar a memória perdida.
        Veja o filme completo

3. Carnaval dos Deuses - Brasil, 2010, 9 min, direção de Tata Amaral -  O filme mostra uma conversa sobre religião entre crianças de aproximadamente 6 anos, revelando a curiosidade e o respeito que pode haver entre elas pela cultura familiar e religiosa de seus amiguinhos. Exibido em diversos festivais de cinema de direitos humanos, o curta pode fomentar debates sobre a laicidade da escola, diversidade religiosa e intolerância.
Sinopse:
Em uma escola de educação infantil, Ana observa três amigos confeccionarem suas fantasias de Carnaval, mas fica de fora por acreditar que a festa é um pecado. Sua não participação provoca no grupo de amigos uma conversa sobre deuses, pecado e crenças.
·      Veja o filme completo 

Dicas de “curtas” para crianças maiores de 10 anos e adolescentes.
4. Crianças Invisíveis - Itália, 2005, 129 min, conjunto de sete curtas metragens, diversos diretores -  O filme foi patrocinado pelo Unicef para retratar a invisibilidade de algumas crianças no mundo contemporâneo. Em todos os 7 curtas, dirigidos por celebrados cineastas do mundo todo, o tema central é a vida de crianças que vivem dramas e responsabilidades como se fossem adultas.
Os sete filmes são excelentes, embora alguns sejam mais tristes ou pesados que outros. Embora tenha sido produzido há mais de uma década, continua, infelizmente, atualíssimo. Muitos professores já conhecem esse filme, mas é sempre bom lembrar que muitas crianças ainda não o viram. Todos eles tratam do abandono da infância de forma muito universal. Recomendamos, em especial, o brasileiro.
5. Bilu e João - Brasil, 15 min, dirigido por Kátia Lund - Bilu e João são duas crianças moradoras de uma favela na zona sul de São Paulo. O filme mostra um dia na vida delas, buscando trocar latas vazias, papelão, placas e pregos retirados do lixo por algum dinheiro. Elas demonstram muita inteligência e solidariedade, aventurando-se pela cidade, sem qualquer relação com escola (embora demonstrem muito conhecimento, por exemplo, de matemática) ou com adultos que cuidem delas. É um dos curtas mais tocantes dessa produção da Unicef, porque embora mostre desigualdades sociais gritantes e o abandono da infância, o filme mostra a força da imaginação das crianças e guarda aspectos lúdicos.

Os outros curtas de Crianças Invisíveis são: Ciro, de Stefano Veneruso (Itália); Jonathan, de Jordam Scott e Ridley Scott (Inglaterra); Marjan, de Emir Kusturica (Sérvia-Montenegro); Tanza, de Mehdi Charef (África do Sul); Jesus Criança da América, de Spike Lee (EUA) e Song Song e a Gatinha, de John Woo (China)
6. O dia de Jerusa (BR, 2014, 20 min) de Viviane Ferreira - Mostra a representatividade negra de todo o elenco (protagonistas e coadjuvantes). Fala da importância da memória, da oralidade e da ancestralidade. Permite explorar questões étnicas e raciais e dirigir nosso olhar para a mulher negra de antigamente e para a atual.

Sinopse:
Jerusa (Léa Garcia) é uma senhora negra moradora de um bairro do centro de São Paulo. Está retornando a sua casa e no caminho cruza com diversas pessoas. Chega a seu lar e começa a organizar os preparativos para seu aniversário de 77 anos. Até o momento em que tocam a campainha e é Silvia (Débora Marçal), uma jovem negra que está realizando uma rápida pesquisa sobre sabão em pó. Jerusa inicia uma conversa com Silvia e traz à tona memórias resgatando seu passado, sua vida e a de muitos negros. Sílvia que teria apenas 15 minutos para a entrevista, acaba compactuando com as memórias de Jerusa e participando da celebração.
·        Veja o filme completo 

7. O céu no andar de baixo (Brasil, 2010, 15 min) de Leonardo Cata Preta - Um dos aspectos mais interessantes desse curta é a questão do ser diferente, de não se encaixar nos padrões sociais estabelecidos, como é o caso de Francisco e da moça que tentou se suicidar. Percebemos que, apesar de Francisco e a moça serem diferentes, é possível viver, conviver, trabalhar, se apaixonar e a vida seguir seu fluxo usual. Na realidade, as múltiplas possibilidades que temos na vida e o respeito em relação ao outro são temas abordados nessa animação.
Sinopse:
Francisco é um jovem que tem uma cabeça parecida a um pingente, ou vê tudo para cima ou para baixo. No seu aniversário de 12 anos ganhara o presente mais significativo de sua vida: uma máquina fotográfica. A partir desse dia, fotografava quase tudo o que estava a seu redor. Foi morar sozinho aos 22 anos e em um dia em que estava fotografando, tirou uma foto de meias voadoras. Achou isso estranho porque já vira muitas coisas incomuns, mas meias voadoras? Um dia, no elevador do prédio onde mora, entra em uma cadeira de rodas uma moça com aquelas meias da fotografia. Francisco se sente atraído por ela e descobre o número do seu apartamento. Ele não ia às reuniões de confraternização do condomínio, mas acaba indo a uma delas onde comentam que uma moça tentara se jogar do apartamento. Sai dessa reunião e logo depois vai rumo ao pé de manga espada onde é diagnosticado de mal de amor. Monta um plano para encontrar essa moça, mas nem tudo sai como o desejado.
·      Veja o filme completo

8. 15 Filhos (Brasil, 1996, 18 min) de Maria Oliveira e Marta Nehring - Diante de tantos questionamentos sobre a veracidade ou não das torturas e assassinatos durante os 21 anos de ditadura militar no Brasil, entre os anos 1964 e 1985, é muito importante a exibição deste curta que traz o relato de filhas e filhos de presos políticos, que viram seus pais serem torturados, mortos ou simplesmente desaparecerem. A tortura, a prisão ou morte de pessoas que divergem politicamente do regime vigente é inadmissível. Os jovens precisam conhecer a História do Brasil para não permitirem que essa afronta aos direitos humanos se repita.
Sinopse:
Uma visão das consequências humanas da ditadura militar no país a partir do depoimento dos filhos de desaparecidos ou mortos pelo regime. Além dos relatos, gravados em preto e branco, o filme traz imagens em cor da queda do presidente chileno Salvador Allende e das dependências de uma delegacia de polícia em São Paulo onde eram mantidas famílias de presos políticos.
          Veja o filme completo
Dicas de Longas Metragens
A primeira indicação, O Menino e o Mundo, é para todas as idades. As seguintes são indicadas a partir de 12 anos, mas sempre convém que o (a) professor (a) avalie se a turma está madura para a assistência e discussão do filme. Todos os filmes indicados estão disponíveis em DVD.
9. O Menino e o Mundo (Brasil, 2014, 88 min), de Alê Abreu - Esta premiadíssima animação é indicada para todas as idades, desde crianças bem pequenas até adultos. É claro que o entendimento da obra vai depender do universo de cada espectador, não apenas de sua idade, mas também de sua trajetória e percepção do mundo. Muitos adultos, por captarem a complexidade da obra, acham que não seria indicada para crianças, mas há relatos de inúmeras experiências desse filme com crianças de todas as idades. Elas interagem bastante com a animação de muitos jeitos diferentes.
A questão dos Direitos Humanos é central no filme, que aborda os direitos da infância, questões ambientais, a exploração do trabalho no campo e na cidade e a qualidade de vida, entre outras.
Sinopse:
Um menino vê seu pai partir, em busca de uma vida melhor para sua família. Sofrendo com sua ausência, ele deixa seu mundo colorido e infantil e descobre um mundo complexo, dominado por máquinas e seres estranhos. Nesta inusitada animação, o mundo moderno é mostrado, com todos os seus conflitos e desigualdades, pelo olhar de uma criança.
10. Campo Grande (Brasil, 2015, 108 min) de Sandra Kogut -
O filme trata da distância entre pessoas que vivem na mesma cidade, separadas geograficamente por serem de classes sociais distintas. Todas as pessoas têm direito à cidade e a uma vida digna.
Sinopse:
Duas crianças são deixadas misteriosamente na frente de um prédio de um bairro rico do Rio de Janeiro, com o nome e o número do apartamento de uma das moradoras: Dona Regina. Ela não sabe quem são essas crianças e nem porquê foram deixadas ali. A única coisa que elas sabem responder é que elas moram em Campo Grande, região periférica da cidade, onde Dona Regina nunca foi e nem tem intenção de ir. A “casa grande” e a “senzala” se encontram nesse microcosmo.
11. Uma História de Amor e Fúria (Brasil, 2013, 80 min), de Luiz Bolognesi - Trata-se de uma animação longa metragem em quatro episódios, que podem ser usados separadamente. Aborda a violência contra a população indígena, negra, aos oponentes da ditadura militar e, como prospecção, o problema ambiental, especificamente a falta de água potável.
Sinopse:
A história trata do amor entre um herói imortal e Janaína, a mulher por quem é apaixonado há 600 anos. O herói assume vários personagens, mas seu espírito de luta permanece o mesmo, especialmente porque seu amor o alimenta. O filme conta quatro episódios de momentos diferentes da História do Brasil, a partir do ponto de vista dos vencidos: a guerra entre Tupiniquins e Tupinambás, no início da colonização portuguesa, em 1565; a revolta ocorrida no Maranhão, conhecida como Balaiada, em 1825 e a guerrilha urbana, no período da ditadura militar, em 1968.
O quarto episódio é uma projeção do futuro, em 2096. Com base na mitologia indígena, o herói foi escolhido para ser imortal e lutar eternamente contra Anhangá – o signo da morte e da destruição. Janaína morre e renasce em cada episódio. O filme mostra a violência que se tornou intrínseca na sociedade brasileira, mas também o amor que mantém acesa a chama da luta política e o desejo de transformação.
12. Hoje eu quero voltar sozinho (Brasil, 2014, 96 min), de Daniel Ribeiro
O filme traz o debate sobre homofobia e os direitos garantidos em nossa Constituição, como, por exemplos, de liberdade de orientação sexual. Trata ainda da exclusão de pessoas portadoras de deficiências. 

O curta metragem “Eu não quero voltar sozinho”, do mesmo diretor e com o mesmo elenco, também é uma boa opção para se trabalhar os temas indicados na escola.
Sinopse:
Leonardo é um adolescente cego que, como qualquer pessoa da sua idade, está em busca do seu lugar. Desejando ser mais independente, precisa lidar com suas limitações e a superproteção de sua mãe. Para decepção de sua melhor amiga, Giovana, ele cogita fazer um intercâmbio, como símbolo de conquista pela autonomia. Mas tudo muda na vida deles com a chegada de Gabriel, um novo aluno na escola, que desperta sentimentos até então desconhecidos em Leonardo. O primeiro amor e o início da sexualidade são tratados com muita delicadeza neste filme, que é uma ótima opção para o debate sobre o respeito às diferenças e a luta contra a homofobia.
13. Era o Hotel Cambridge (Brasil, 2016, 99 min) de Eliane Caffé - O filme discute o direito à moradia e a uma vida digna, além de trazer o drama de refugiados de várias nacionalidades vivendo em São Paulo.
Sinopse:
O filme une as linguagens documental e ficcional para retratar o dia a dia de um grupo de Sem Teto e refugiados estrangeiros que ocupam o prédio do antigo Hotel Cambridge, que pertence à Prefeitura de São Paulo e está sem uso desde 2011. Ao retratar o cotidiano, as agruras, as alegrias, a força e os medos desse grupo de pessoas, o filme traz à tona muitas questões prementes no Brasil de hoje, tais como direito à moradia, a organização e ocupação dos espaços urbanos, os interesses público e coletivo, a luta por melhores condições de vida, o nosso fosso socioeconômico e os preconceitos da sociedade brasileira.
--------------------------------------------------------------------------
Artigo produzido pelos cine-educadores Marcos Eça, João Moris e Cláudia Mogadouro do coletivo Janela Aberta – Cinema e Educação
Fonte:


-----------------------------------

Crédito Imagens:

1. Foto de abertura: www.janelaaberta.org/coletivo/ 
2. Imagem divulgação do filme:"Central do Brasil", com Fernanda Montenegro.
3. Imagem do filme: Hoje eu quero voltar sozinho - divulgação.

Nota: As imagens publicadas neste blog pertencem aos seus autores. Se    alguém possui os direitos de uma delas e deseja que seja removida deste espaço, por favor entre em contato com: vrblog@hotmail.com 


Posts + Lidos

Desenho de AlternativoBrasil e-studio