Vanise Rezende - clique para ver seu perfil

COP 25 - EMERGÊNCIA CLIMÁTICA - É PRECISO INTERROMPER NOSSA GUERRA CONTRA A NATUREZA

29 de janeiro de 2020


"Mudemos a política, e não o clima" - Greve pelo clima em Milão, na Itália.  Em 27 de setembro de 2019. — Foto: Antonio Calanni/AP


Continuamos a trazer aqui textos selecionados sobre questões de grande repercussão, e outras que não chegam a ser considerdas, na grande mídia, como temas vitais para a sociedade, como é o caso da questão climática. 


Todos os anos a ONU convoca a cúpula do clima para fazer um levantamento da situação global, e discutir novas políticas em defesa do Meio Ambiente. Embora precisemos considerar que muitos “acordos do clima” nem sequer são assumidos pelos países que se comprometeram, na prática nos interessam, para cobrar dos governos nos respectivos países.

De acordo com matéria publicada no g1.globo.com, líderes mundiais têm enfrentado uma pressão crescente, especialmente de jovens em todo o mundo, para que assumam políticas efetivas orientadas para evitar os impactos catastróficos produzidos pelo aquecimento global. 

A última cúpula do clima – chamada COP 25 - aconteceu em Madri, no período de 2 a 13 de dezembro de 2019. Cerca de 200 países estavam representados, chegando a mais de vinte mil pessoas presentes.  

Com uma participação mundial tão representativa, nas cúpulas que acontecem a cada ano, já deveríamos ter encontrado soluções para os graves problemas que assolam as cidades do mundo com inundações violentas, desflorestamentos e intermináveis queimadas que destroem a vida da Mãe Terra. Mas aqueles que as populações escolheram, para assumir essa tarefa, não correspondem a essas expectativas. 

Documentos científicos divulgados pela ONU informam que as emissões de gases causadores do efeito estufa continuam subindo – e não caindo, como deveria ser.

Na COP 25 o slogan adotado foi: "Hora da Ação" (Time for Action). Na abertura do evento, o atual secretário-geral da ONU, António Guterres,(*) afirmou que é preciso interromper "nossa guerra contra a natureza".

O principal desafio da COP 25 é acelerar o combate às mudanças climáticas. Eventos climáticos extremos, no mundo inteiro, como enchentes e queimadas, estão ligados ao aquecimento global causado pelo ser humano, conforme demonstram estudos científicos realizados em diferentes países.

Algumas informações acima foram recortadas da introdução de uma matéria divulgada no Blog do Camarotti – via g1, cujo texto central reproduzimos abaixo.

Conferência do clima da ONU
 COP 25 - em Madri

Principal desafio da COP-25 é acelerar o combate às mudanças climáticas




As negociações começaram na segunda (2/12) sob um cenário de impactos cada vez mais visíveis, como incêndios florestais se espalhando do Ártico e da Amazônia até a Austrália, e regiões tropicais atingidas por furacões devastadores.

O que está em jogo: metas mais ambiciosas

·   A próxima década é um momento crítico para evitar a catástrofe global. No Acordo de Paris, o compromisso assumido foi de manter o aquecimento global a 1,5ºC acima dos níveis da era pré-industrial até o fim do século – o mundo já está, em média, 1,1ºC mais quente. Estudos recentes da ONU dizem que a meta precisa ser ainda mais rígida.

·    A  concentração dos principais gases do efeito estufa na atmosfera alcançou um recorde em 2018. Caso as emissões não sejam reduzidas em mais de 7% ao ano, o mundo caminha para um aumento de temperatura de 3,2ºC. Impactos são imprevisíveis.

·   Os dois maiores emissores de gases, Estados Unidos e China, apresentam posicionamento dúbio. O presidente Donald Trump anunciou a saída do Acordo de Paris, adotado em 2015. A China vem assumindo discurso mais favorável ao combate ao aquecimento global, mas, na prática, constrói mais usinas de carvão.

·      Em Paris, 70 países se comprometerem a neutralizar emissões até 2050 – mas não são os maiores emissores de gases. Isso significa que esses 70 países prometeram equilibrar as emissões de carbono com tecnologias de captura de gases ou plantando árvores, por exemplo, e atingir "emissões zero".
·  Compromissos assumidos, no entanto, são voluntários. A ONU não tem mecanismos que obriguem os países a cumprirem as promessas assumidas no Acordo de Paris.       A COP 25 é a última conferência do clima antes da década de 2020. Restam dúvidas sobre como realizar a transição para energias limpas e, mais do que isso, como financiar esse processo.
·    O ministro brasileiro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que vai cobrar recursos de países ricos na COP 25 para a preservação do meio ambiente no Brasil. O Acordo de Paris prevê contribuições voluntárias dos países desenvolvidos aos países em desenvolvimento, por meio de um fundo. No entanto, isso ocorre num momento em que a pauta ambiental do país vem sendo questionada: a Amazônia registra aumento no desmatamento e manchas de óleo atingem centenas de praias brasileiras, sem um culpado ou origem do óleo identificados.

·   O mercado de créditos de carbono atualmente funciona somente a partir de acordos entre empresas e governos, pois o sistema ainda não foi completamente implementado. Isso também foi discutido na COP 25. Além disso, foi previsto debater as operações de um fundo de US$ 100 bilhões para iniciativas de financiamento entre países.













 O secretário-geral da ONU, António Guterres, e o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez — Foto: Andrea Comas/AP


Início da COP 25


Michał Kurtyka - ministro polonês do clima que liderou a rodada anterior de negociações climáticas da ONU, em 2019, na cidade polonesa de Katowice - disse que um aumento no ativismo climático entre jovens enfatizou a urgência da questão – conforme a agência Reuters.

"Talvez o mundo ainda não esteja se movendo no ritmo que gostaríamos, mas minha esperança ainda está particularmente entre os jovens. 

Eles têm a coragem de falar e nos lembrar que herdamos este planeta de nossos pais, e precisamos entregá-lo às gerações futuras".


A conferência tem como objetivo estabelecer as peças finais necessárias para apoiar o Acordo de Paris de 2015 para combater as mudanças climáticas, que entra em uma fase crucial de implementação no próximo ano. 

As promessas existentes feitas sob o acordo estão aquém do tipo de ação necessária para evitar as consequências mais desastrosas do aquecimento global em termos de elevação do nível do mar, seca, tempestades e outros impactos, de acordo com os cientistas.

Mais de 50 chefes de Estado devem comparecer à COP 25, mas nem o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, nem o americano, Donald Trump, confirmaram presença.

Guerra contra a natureza

O secretário-geral da ONU, António Guterres (*), afirmou que é preciso interromper "nossa guerra contra a natureza". Ele lembrou que estamos cada vez mais próximos de um "ponto de não retorno", e denunciou a falta de vontade política dos líderes globais para reduzir as emissões de gases estufa.
"E sabemos que é possível", disse Guterres



"Simplesmente precisamos parar de cavar e perfurar para aproveitarmos as vastas possibilidades oferecidas pelas energias renováveis ​​e pelas soluções baseadas na natureza.




A emissão de gases causadores do efeito estufa precisa diminuir mais de 7% ao ano no período entre 2020 e 2030 para que o aumento na temperatura média global seja de apenas 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais – conforme relatório lançado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Guterres disse que a meta atual não é suficiente. E afirmou:


“Os grandes emissores não estão fazendo sua parte e, 
sem eles, nossas metas são inatingíveis”.


O que são as cúpulas anuais do clima 

As cúpulas anuais do clima são organizadas como uma “Conferência das Partes” realizada anualmente por representantes de países signatários da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC). A convenção é um tratado internacional com objetivo de lidar com o aquecimento global, refletindo sobre o que já foi feito e o que ainda precisa ser adotado.

Em 2019 a conferência chegou à sua 25ª edição. Por isso o nome "COP25". A
próxima reunião, a COP26, será em Glasgow (Escócia), em novembro de 2020.

A Conferência do Clima da ONU estava marcada para acontecer em Santiago, no Chile. Mas, devido à onda de protestos que o país atravessa, o presidente Sebastián Piñera decidiu cancelar a sua realização no país. A Espanha se ofereceu para receber o evento, em Madri.

Posição do governo Bolsonaro

No ano passado, o Brasil também desistiu de sediar Conferência do Clima da ONU devido a restrições orçamentárias. A decisão ocorreu ainda durante o governo Michel Temer, mas, já na transição, o presidente Jair Bolsonaro disse ter recomendado que o encontro não fosse realizado no país, pois "custaria mais de R$ 500 milhões ao Brasil".

Segundo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o governo brasileiro pretende aproveitar a COP25 para apresentar propostas que facilitem o financiamento estrangeiro de medidas de preservação ambiental. Ele afirma que o Brasil já conduz medidas de preservação ambiental e que é preciso ser remunerado pelo que já realiza na área.

Salles diz que vai cobrar recursos de países ricos para preservação do meio ambiente. Salles se refere ao mecanismo de cooperação internacional por meio de um fundo global – o "Green Climate Fund" – por meio do qual países desenvolvidos podem ajudar a financiar projetos em países mais pobres. Entretanto, embora Salles tenha cobrado recursos, esses pagamentos não são obrigatórios.

----------------------------------------------------
Para saber outros comentários sobre a posição do Governo brasileiro, representado na COP25 pelo Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, veja: 

https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Mae-Terra/Emergencia-climatica/3/46233  - 12/01/2020
-------------------------------------------------------------------

Fonte do texto:


Créditos das Imagens:

1. Foto de abertura - Protesto na Italia - Antonio Calann/AP
2. Foto do secretário-geral da ONU, António Guterres, com o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez —  Andrea Comas/AP
3. Foto de Michal Kurtika, ministro do Clima na Polônia - www.msn.com.jpg
4. Foto do Secretário Geral da ONU, António Guterrez, ex-primeiro ministro português - www.dv.com.jpg

(*) O Secretário-geral da ONU António Guterrez é engenheiro, político e diplomata português - e foi primeiro ministro do seu país. Assumiu o cargo de secretário-geral da Organização das Nações Unidas desde 2017.


Nota: As imagens aqui postadas pertencem aos seus respectivos autores. Se algum deles não estiver de acordo com a sua reprodução neste espaço, por favor comunique-se conosco, fazendo um comentário nesta postagem. 


Para mais informações leia:





Nenhum comentário :

Deixe seu comentário:

Posts + Lidos

Desenho de AlternativoBrasil e-studio