Vanise Rezende - clique para ver seu perfil

O AMOR REQUER CONCRETUDE

28 de novembro de 2016

Encontrei uma frase na internet cuja autoria é atribuida a Frida Kahlo: "Onde não  puderes amar não te demores". Consideradas as dificuldades que ela passou em sua vida, é possível que a frase se refira ao desmanche de uma relação amorosa. Quem já vivenciou essa experiência sabe como é doloroso quando, na relação amorosa, um dos parceiros já não se interessa de partilhar a vida com o outro. 

Aqui, eu gostaria de afirmar o contrário, lembrando que amar é arte que se aprende como se aprende a caminhar e a falar... No caso da arte de amar é preciso tempo e cuidado, além da necessidade de exercício diário. 

Carece que te demores... 

Começa-se do jeito que se sabe, o coração e a mente abertos para conhecer o outro, cada outro com quem se está a relacionar por motivos diferentes, por compromissos diversos, por razões que só o coração conhece. Pessoas da família, os que se encontra na rua e, ainda, aqueles com quem se convive no trabalho - uns mais camaradas e colaboradores, outros desconfiados, invejosos, irritantes -
um aprendizado que não tem fim. 

O amor não é um sentimento coletivo, é personalizado de acordo com o dia e a hora, na alegria e na tristeza, nos dias de sim e nos dias de não. 

A gente ama a natureza e por amor à natureza a gente cuida bem do lixo e da água. Fazendo assim se está cuidando dos que hoje precisam do ar puro, das nascentes dos rios e da terra... Assim, cuida-se também dos que virão mais tarde.


A gente ama as plantas e suas flores e frutos. Por causa da partilha da beleza que nos entregam e dos alimentos que nos dão a gente oferece água, põe um pouco mais de terra boa, faz chegar o sol e a sombra como requer cada situação.

A gente também ama os animais e alguns trazem gatinhos e cachorros para o próprio convívio. 

A gente curte muito os filhos e as filhas, e vibra com as traquinices dos netos... E mesmo sem netos nem filhos a gente gosta de ver crianças e velhinhos felizes, curtindo a vida que podem ter.

Quantos jeitos de exercitar o cuidado, de aprender a carícia da atenção essencial sem pieguices nem esmolas, sem jeitinhos nem apadrinhamentos, mas oferecendo o melhor que se tem e que se sabe e que se pode dar. 

Carece que te demores, para amar. Buscar uma brecha para começar a praticar o amor, que o amor se dilata, se renova, conquista, rejuvenesce, faz bem à saúde. 

Faz o teu aprendizado sem esmorecer. Observa com atenção o que está por trás do olhar triste ou preocupado da secretária doméstica, do motorista, da babá dos teus filhos, do porteiro... 

Até que um dia terás aprendido a te informar mais sobre a tua cidade - que é preciso saber o que se passa com o descuido das políticas sociais de hoje, em nosso país. Carece saber, ainda, as aspirações dos jovens e o sofrimento dos que estão sós...  

Talvez descobrirás que há refugiados próximos ao lugar onde vives.  Desempregados que a crise colocou ali ao teu lado... 

Assim,
onde não houver amor, faz a tua parte para o amor chegar, porque o mundo tem sede de amor.

De amor - não de um sentimento romantizado nem de esmola, nem da oração destacada do teu irmão, nem da "caridade ao pobrezinho", nem do desencanto da indiferença. Há muitos projetos sociais inclusivos, educadores e não assistencialistas esperando a tua cooperação.

Descobrirás, por exemplo, o testemunho dos estudantes que ocupam as escolas por que querem mais do que boas aulas e boa educação. Querem educação e saúde como um serviço cidadão que deve chegar a todos; querem mais do que têm os seus pais, querem democratizar a  cidadania. 

O amor - também aquele dos casais de diferentes expressões, dos pais e dos filhos, dos amigos e dos apaixonados, do empenho social pela mudança, pela justiça, pela fraternidade... Todos os amores carecem que se olhe para fora de si, e não a esmo, mas na direção das possibilidades reais de expressão do lugar onde se está. Como, por exemplo, buscar informação e conhecimento dos direitos que o povo deste país está perdendo. Uma informação que não se encontra no silêncio imbecilizado da TV nem das meias verdades da imprensa de maior circulação.  


amor requer concretude e exige posicionamento político. 

Também carece de "misericórdia", uma palavra antiga que agora se torna uma nova expressão universal e humanitária trazida pelo testemunho de Francisco, o papa. 

Visto assim, temos um bom caminho a fazer para aprender a amar.

Onde não houver amor, carece que te demores...  Experimenta começar em primeira pessoa. Verás que, com o teu gesto pessoal e único, que depende só de ti, o amor poderá florescer e vingar




-----------------------

Crédito Imagens:

1. Imagem de: www.canstockphoto.com.br
2. Jardim doméstico - Idem
3. Refugiados - divulgação - epa.
4. Greve na UFPE - Recife-PE - WattsApp - Foto de Bruno Lafaiete -TV Globo.
5. Imagem divulgada em: www.outraspalavras.com.br


Nota:  As imagens publicadas neste blog pertencem aos seus autores. Se alguém possui os direitos de uma dessas imagens e deseja que ela seja removida deste espaço, por favor entre em contato com: vrblog@hotmail.com

Posts + Lidos

Desenho de AlternativoBrasil e-studio