Vanise Rezende - clique para ver seu perfil

A ALEGRIA DE COMEMORAR A VIDA

13 de abril de 2016


Há diferentes momentos de se comemorar o aniversário dos quinze anos, que quase todos não esquecem. Refiro-me, por exemplo, aos aniversários de 69 ou de 78 anos, cuja soma de seus algarismos resulta em 15. Um bom motivo para celebrar, de forma brincante, a chamada "boa idade".

É assim que hoje – 13 de abril de 2016 – estou completando mais uma vez meus quinze anos! Há quem não goste da expressão “boa idade” para esse momento da vida... Mas, acredito que há muito que se comemorar. De minha parte, tenho razões para pensar assim.


No percurso da maturidade – que maduro você só está quando é naturalmente chamado ao seio da terra ou, como gosto de pensar, ao coração de Deus  a gente percebe que as lembranças do passado são vivas, intensas, cada vez mais presentes; e que as emoções afetivas não desaparecem (como tanta gente insiste em pensar), mas se apresentam de outro modo no seu coração e no corpo, às vezes até com alguns sintomas da euforia, da ousadia e do romantismo dos tempos adolescentes. 

Outro grande dom no processo do envelhecimento, é quando a pessoa se sente na liberdade de ainda ser aprendiz, aprendendo a aprender no exercício do diálogo com os talentos do outro, o diferente de si, buscando interagir com outras visões de mundo, de saberes, e de jeitos de bem-querer.

Yung, em suas Memórias, afirma: ”Há tantas coisas que me preenchem: as plantas, os animais, as nuvens, o dia, a noite e o eterno presente nos homens. Quanto mais me sinto incerto sobre mim mesmo, mais cresce em mim o sentimento de meu parentesco com o todo”. (i)



Assim me vejo hoje. Uma pessoa integrada com o mundo que me cerca, preenchida dos presentes da natureza, ao contemplar as diferentes belezas do alvorecer e do anoitecer, da chuva e dos trovões, dos pássaros que ainda cantam à minha janela – embora assombrados entre um arranha-céu e outro  e do dom das filhas, do genro, da nora, e de um neto vivaz de cinco anos, a me alegrar o viver.  

Ainda sou uma pessoa aprendiz do diálogo, na contradição exuberante das ideias que carecem de ser ajuntadas, iluminadas e abraçadas, a nos convidar ao recomeço sempre.

Cultivo a alegria de manter aberta uma janela para o mundo  com este blog, por exemplo  embora seja um sentimento abastecido de teimosia, na vida que nos surpreende a cada momento.  

Como Guimarães Rosa, estou cada vez mais convicta que: "O mais importante e bonito, do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas – mas que elas vão sempre mudando. Afinam ou desafinam. Verdade maior. É o que a vida me ensinou. Isso que me alegra montão". (ii)

  


(i)  Yung, Carlos Gustavo - Memórias, Sonhos e Reflexões, p. 233
(ii) Guimarães Rosa, João  – Grande Sertão Veredas, Ed. Nova Fronteira                  (Biblioteca do Estudante), p. 23.


Crédito Imagens : 

1. Foto de Vanise Rezende, realizada no Museu Picasso, em Barcelona (ES), em fevereiro de 2016. Ao visitar o museu, em 2016, fui convidada a participar da homenagem do museu a Pablo Picasso. O visitante era fotografado em pose de imitação, na liberdade, da pose de "Margot" no quadro "L' espera", de Picasso. 

2. Foto de Vanise Rezende em Lisboa - fevereiro de 2016.

 Nota:  As  imagens  publicadas  neste  blog  pertencem  aos   seus autores.  Se alguém possui os direitos de uma delas, e deseja que  seja removida  deste  espaço,  por favor entre em contato com: vrblog@hotmail.com 




Posts + Lidos

Desenho de AlternativoBrasil e-studio