Vanise Rezende - clique para ver seu perfil

É HORA DE ESTANCAR ESSA CRUEL ESCALADA DA MORTE!

17 de março de 2021

 


“O POVO NÃO PODE PAGAR 

COM A PRÓPRIA VIDA!”


Entidades signatárias do PACTO PELA VIDA E PELO BRASIL, mais uma vez se manifestam frente o agravamento da pandemia no país

 

As instituições signatárias do Pacto pela Vida e pelo Brasil (de abril, 2020) lançaram, neste 15 de março, uma carta sobre o quadro de agravamento da pandemia do novo Coronavirus no país, e as suas trágicas consequências na vida do povo brasileiro, do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Brasil. O encontro virtual - promovido pela CNBB - teve como objetivo entregar o documento ao governador do Piauí e coordenador do Fórum Nacional dos Governadores, Wellington Dias (PT).

            Segundo o documento, “o vírus circula de norte a sul do Brasil, replicando cepas, afetando diferentes grupos etários, castigando os mais vulneráveis”. As entidades signatárias solidarizam-se com as famílias que perderam seus entes queridos e apontam a urgente necessidade de maior empenho e integração do Executivo, Legislativo e Judiciário do Brasil, e nos estados e municípios, na busca por encontrar soluções para enfrentar a pandemia. E fazem um apelo especial à juventude:

“O vírus está infectando e matando os mais jovens e saudáveis, valendo-se deles como vetores de transmissão. Que a juventude brasileira assuma o seu protagonismo histórico na defesa da vida e do país, desconstruindo o negacionismo que agencia a morte”.  

A íntegra do documento, com as logos das organizações signatárias, pode ser encontrada aqui e em inglês aqui.

------------------------------------------------

Origem do Pacto pela Vida e pelo Brasil

O Pacto pela Vida e Pelo Brasil foi lançado em 7/04/2020, Dia Mundial da Saúde, pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), juntamente com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Comissão Arns, a Academia Brasileira de Ciências, a Associação Brasileira de Imprensa e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. As entidades já apontavam que o Brasil vivia uma grave crise sanitária, econômica, social e política que exigia de todos, "especialmente de governantes e representantes do povo, o exercício de uma cidadania guiada pelos princípios da solidariedade e da dignidade humana, assentada no diálogo maduro, corresponsável, na busca de soluções conjuntas para o bem comum, particularmente dos mais pobres e vulneráveis”. Conheça o primeiro documento aqui.

 O documento “O povo não pode pagar com a própria vida” vem contando com grande repercussão nacional e internacional.

As instituições signatárias da carta de 2021 foram as mesmas que ano passado divulgaram “O Pacto pela Vida e pelo Brasil”: ABC - Academia Brasileira de Ciências, ABI - Associação Brasileira de Imprensa, CNBB - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Comissão Arns - Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns, OAB - Ordem dos Advogados do Brasil, e SBPC - Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

Fórum Nacional de Governadores e Frente Nacional de Prefeitos 

No ato de entrega da carta, em 15/03/2021, o presidente da CNBB, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, afirmou que “no momento a prioridade das prioridades é salvar vidas”. Além dos representantes das entidades signatárias, 5 governadores participaram da entrega do documento.

Apoio aos prefeitos e governadores

Segundo matéria publicada por Felipe Mascari na  RBA - Rede Brasil Atual, “o negacionismo  e a omissão de  Jair Bolsonaro ante a pandemia, foram amplamente criticados no evento virtual para a entrega da carta. “Para os participantes, em unanimidade, a tragédia causada pela covid-19, que já custou a vida de 278 mil brasileiros, tem o presidente da República como o maior responsável.”  Mascari ainda escreve que “A carta declara apoio aos esforços de governadores e prefeitos para garantir o cumprimento das medidas sanitárias de proteção, paralelamente à imunização rápida e consistente da população, neste que é o momento mais grave da crise causada pela pandemia.”

Jornal Nacional - TV Globo

Na edição do Jornal Nacional da TV Globo em 12 de março, os apresentadores do telejornal destacaram as medidas apontadas pelas seis entidades signatárias para estancar o avanço das mortes no país. Acesse o link aqui. 

Na França, o diário católico LaCroix em 15/03/2021, dedicou parte de sua editoria “Mundo” para falar do documento. O jornal destacou que com quase 11,5 milhões de casos e 277.216 mortes, o Brasil superou a Índia como o segundo país mais atingido pelo COVID-19 globalmente. “É hora de parar a escalada da morte e vacinar as pessoas, diz uma campanha criada pela conferência dos bispos católicos brasileiros e outras organizações da sociedade civil, à medida que o Brasil mergulha em mais uma onda macabra da pandemia COVID-19”, diz um trecho da matéria.

 VaticanNews

Outro destaque ao documento foi do VaticanNews, em sua edição francesa, dando ênfase aos amargos fatos apontados pelo documento:

“O vírus circula de norte a sul do Brasil, as cepas sofrem mutações e se espalham, atingindo diferentes faixas etárias, atingindo os mais vulneráveis. Os pacientes estão morrendo com dores terríveis por falta de recursos hospitalares, enquanto os trabalhadores da saúde, depois de um ano na linha de frente, estão à beira da exaustão”. 

RDB - Rede Brasil Atual

 “São Paulo – A carta O povo não pode pagar com a própria vida! assinada por entidades da sociedade civil que defendem os direitos humanos e protocolos científicos, será entregue nesta segunda-feira (15) ao Fórum Nacional de Governadores. O ato será realizado às 11h30 e terá transmissão pela TVT.

CNBB.org

"A ação junto aos governadores chega no momento mais dramático vivido pelo país, desde o início da pandemia, decretada em 11 de março de 2020, um ano atrás. Um dia depois, 12 de março de 2020, foi oficializada a primeira morte pela covid-19 no país, que já contava com cerca de 300 casos da doença. 

O evento, do qual participaram também os governadores do Ceará, do Rio Grande do Norte, do Espirito Santo e do Maranhão, foi realizado de forma virtual na manhã desta segunda-feira, 15 de março e transmitido pelo Youtube. Na abertura do ato, cuja coordenação foi do assessor político da CNBB, padre Paulo Renato, a jornalista Laura Greenhalgh leu a íntegra do documento. Lançado na última quinta-feira, 11 de março, pelas organizações signatárias do Pacto Pela Vida e pelo Brasil, o manifesto pede que seja estancada a escalada da morte e o fim do negacionismo, causa do colapso do Sistema Único de Saúde (SUC) e do agravamento do caos que levou às quase 280 mil mortes no Brasil em decorrência da Covid-19."

Leia, abaixo, a íntegra do documento.

------------------------------------------------

               O povo não pode  pagar 

               com a própria vida!



       
Nós, entidades signatárias do Pacto pela Vida e pelo Brasil, sob o peso da dor e com sentido de máxima urgência, voltamos a nos dirigir à sociedade brasileira, diante do agravamento da pandemia e das suas consequências. Nossa primeira palavra é de solidariedade às famílias que perderam seus entes queridos.

Não há tempo a perder, negacionismo mata. O vírus circula de norte a sul do Brasil, replicando cepas, afetando diferentes grupos etários, castigando os mais vulneráveis. Doentes morrem agonizando por falta de recursos hospitalares. O Sistema Único de Saúde – SUS continua salvando vidas. No entanto, os profissionais da saúde, após um ano na linha de frente, estão à beira da exaustão. A eles, nosso reconhecimento.

É hora de estancar a escalada da morte! A população brasileira necessita de vacina agora. O vírus não será dissipado com obscurantismos, discursos raivosos ou frases ofensivas. Basta de insensatez e irresponsabilidade. Além de vacina já e para todos, o Brasil precisa urgentemente que o Ministério da Saúde cumpra o seu papel, sendo indutor eficaz das políticas de saúde em nível nacional, garantindo acesso rápido aos medicamentos e testes validados pela ciência, a rastreabilidade permanente do vírus e um mínimo de serenidade ao povo.

A ineficiência do Governo Federal, primeiro responsável pela tragédia que vivemos, é notória. Governadores e prefeitos não podem assumir o papel de cúmplices no desprezo pela vida. Assim, apoiamos seus esforços para garantir o cumprimento do rol de medidas sanitárias de proteção, paralelamente à imunização rápida e consistente da população. Que governadores e prefeitos ajam com olhos não só voltados para os seus estados e municípios, mas para o país, através de um grande pacto. Somos um só Brasil.

Ao Congresso Nacional, instamos que dê máxima prioridade a matérias relacionadas ao enfrentamento da COVID-19, uma vez que preservar vidas é o que há de mais urgente. Nesse sentido, o auxílio emergencial digno, e pelo tempo que for necessário, será imprescindível para salvar vidas e dinamizar a economia. Ao Poder Judiciário, sob a liderança do Supremo Tribunal Federal, pedimos que zele pelos direitos da cidadania e pela harmonia entre os entes federativos. Que a imprensa atue livre e vigorosamente, de forma ética, cumprindo sua missão de transmitir informações confiáveis e com base científica, sobre o que se passa. Enfim, que a voz das instituições soe muito firme na defesa do povo brasileiro!

Fazemos ainda um apelo particular à juventude. O vírus está infectando e matando os mais jovens e saudáveis, valendo-se deles como vetores de transmissão. Que a juventude brasileira assuma o seu protagonismo histórico na defesa da vida e do país, desconstruindo o negacionismo que agencia a morte.

Sabemos que a travessia é desafiadora, a oportunidade de reconstrução da sociedade brasileira é única e a esperança é a luz que nos guiará rumo a um novo tempo.

Quarta-feira, 10 de março de 2021.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB

Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB

José Carlos Dias, presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns - Comissão Arns

Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências - ABC

Paulo Jeronimo de Sousa, presidente da Associação Brasileira de Imprensa - ABI

Ildeu de Castro Moreira, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC

 ---------------------------------------

Fonte das informações desta postagem:

https://www.cnbb.org.br/wp-content/uploads/2020/04/Pacto-pela-Vida-e-pelo-Brasil-.pdf

http://www.ihu.unisinos.br/607537-maior-responsavel-pela-tragedia-da-pandemia-e-bolsonaro-afirmam-cnbb-governadores-e-entidades

https://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2021/03/sociedade-civil-lanca-manifesto-por-acao-de-governadores-contra-a-pandemia/

Nota - Todas as imagens postadas nesta reportagem são do portal da  https://www.cnbb.org.br/


 

Nenhum comentário :

Deixe seu comentário:

Posts + Lidos

Desenho de AlternativoBrasil e-studio