Vanise Rezende - clique para ver seu perfil

FORTUNA DOS MAIS RICOS DOBROU NA PANDEMIA - DIZ RELATÓRIO DA OXFAM

18 de janeiro de 2022

Os percentuais sobre a distribuição da riqueza, no mundo, só piora para a maioria dos países. E a desproporcional desigualdade piora a situação das populações mais pobres. Para o resíduo grupo dos mais ricos - um número que se pode contar nos dedos das mãos - a riqueza cresce aceleradamente. Aliás, os mais ricos viram a sua riqueza dobrar, durante a pandemia. Recentemente, assisti ao vídeo de uma jovem herdeira da família Disney. Ela dizia que se sentira muito mal ao receber uma riqueza tão exorbitante. E tratava de ver como utilizar parte da sua riqueza em benefício do  bem comum. Mas essa é uma atitude que vira notícia, de tão rara que é. 

Hoje, mais uma vez, falamos desse cenário iníquo, divulgado recentemente pela OXFAM Internacional - uma confederação de 19 organizações e mais de três mil parceiros. A Oxfam atua em mais de 90 países, por meio de campanhas, programas de desenvolvimento e ações emergenciais, inclusive no Brasil. Sua primeira filial internacional foi criada em Oxford, na Inglaterra, em 1942. Tem sua sede em Nairóbi, no Quênia. A sede brasileira foi criada em 2014, em São Paulo. Deixo abaixo o link para quem desejar contribuir com as atividades da Osfam, no Brasil:

htps://www.oxfam.org.br/transparencia/?_ga=2.254870792.1801124801.1642513474-803831051.1642513474

--------------------------------------------


Fortuna dos mais ricos dobrou desde o início da pandemia, diz relatório da Oxfam

Renda de 99% das pessoas caiu, e 160 milhões foram empurradas para a pobreza; patrimônio de bilionários registrou 'aumento sem precedentes'

REDAÇÃO

RFI

Paris (França)

 

A fortuna dos dez homens mais ricos do mundo dobrou desde o início da epidemia, segundo um relatório divulgado nesta segunda-feira (17/01) pela ONG Oxfam. O documento também revela que a renda de 99% das pessoas caiu e 160 milhões foram empurradas para a pobreza, o que evidencia "as desigualdades econômicas, de gênero e raciais, que destroem o mundo."

De acordo com o relatório intitulado "As desigualdades matam", a fortuna acumulada de todos os bilionários registrou "um aumento sem precedentes" de US$ 5 trilhões, chegando, no total, a US$ 13,8 trilhões. De acordo com a revista Forbes, as dez pessoas mais ricas do mundo são Elon Musk (Tesla), Jeff Bezos (Amazon), Bernard Arnaud (LVMH), Bill Gates (Microsoft), Mark Zuckerberg (Meta/Facebook), Waren Buffett (Berkshire Hathaway) e Larry Ellison (Oracle).

Segundo a ONG, é possível vencer a pobreza impondo taxas progressivas. A Oxfam também recomenda a quebra das patentes das vacinas. Em entrevista à RFI, Quentin Parinello, porta-voz da Oxfam na França, explicou que na África, sem apoio dos governos, a crise sanitária piorou ainda mais a situação das classes menos abastadas. "No continente africano, a precariedade aumentou ainda mais. Podemos observar que a retomada econômica é bem mais proeminente nos países desenvolvidos do que na África, e isso tem, naturalmente, uma relação com o acesso às vacinas", declarou.

Os recursos públicos usados para apoiar setores atingidos pela crise sanitária acabaram beneficiando os mais ricos, ressalta o representante da Oxfam. "Se pegarmos o exemplo da França, a fortuna dos bilionários cresceu € 236 bilhões durante a crise e isso não está relacionado à atividade econômica das empresas, mas ao apoio do governo em resposta à crise, que injetou bilhões de euros no mercado financeiro", salienta.

"Se observarmos a história, existem casos que mostram que, se adotarmos a boa política, financiando mais o setor público e a proteção social, podemos lutar contra as desigualdades. Elas não são uma fatalidade, são o resultado de escolhas políticas. É financiando modelos sociais mais protetores, e os financiando com impostos progressivos, que seremos capazes de lutar de maneira durável contra as desigualdades". 

Cerca de '21 mil mortes por dia'

Segundo a Oxfam, as desigualdades contribuem para a morte de pelo menos "21 mil pessoas por dia". Os óbitos estão relacionados à falta de acesso à saúde, à violência de gênero, à fome e à crise climática. 

O documento ainda revela que uma taxa excepcional de 99% sobre os ganhos obtidos com a pandemia pelos dez homens mais ricos do mundo permitiria a produção de uma quantidade suficiente de imunizantes para a população mundial, a criação de uma proteção social e médica universal e o financiamento de medidas de adaptação ao clima, além da redução da violência de gênero em 80 países.

Ainda assim, os bilionários ainda teriam US$ 8 bilhões a mais em relação ao período pré-epidêmico. "A pandemia foi formidável para os bilionários. Os bancos centrais injetaram trilhões de dólares no mercado financeiro para salvar a economia, e uma boa parte desse dinheiro acabou no bolso dos bilionários", diz a Oxfam.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, as desigualdades de acesso às vacinas contra a covid-19 podem enfraquecer a luta por causas internacionais, como as mudanças climáticas. Neste ano, o Fórum de Davos presencial foi adiado para o verão (no hemisfério norte) por conta da variante ômicron, e acontece à distância até o dia 21 de janeiro.

-----------------------------------------------

https://operamundi.uol.com.br/politica-e-economia/72759/fortuna-dos-mais-ricos-dobrou-desde-o-inicio-da-pandemia-diz-relatorio-da-oxfam?bol

Crédito das Imagens:

1. G82007LeadersBigheads.jpg

2. Imagem RFI, Paris França.

Nenhum comentário :

Deixe seu comentário:

Posts + Lidos

Desenho de AlternativoBrasil e-studio