Vanise Rezende - clique para ver seu perfil

CRISTIANISMO EM MOVIMENTO

2 de janeiro de 2016


"Nos dias atuais estamos assistindo a  uma novidade que nos cabe saudar: 

Papa Francisco nos está resgatando o Cristianismo mais como   Movimento, como encontro entre pessoas com o Cristo Vivo e a Misericórdia Ilimitada, do que a férrea disciplina ortodoxa. 
O Papa   como fez Jesus colocou a  pessoa no centro, não o poder nem o dogma, nem o enquadramento moral”. Esta é uma constatação do nosso irmão maior, Leonardo Boff, teólogo, sociólogo e grande defensor da Mãe Terra, como Francisco. 


Com atitudes que parecem florescer das raízes profundas de suas palavras –  o papa Francisco decidiu viver em Roma, num pensionato para sacerdotes e religiosos, deixando de lado o ambiente luxuoso da moradia pontifícia, na cidade do Vaticano. Esta sua opção coincide com o sonho de Dom Hélder Câmara, quando afirmava que o papa deveria morar fora do Vaticano e viver ao lado das pessoas, para compreender melhor a vida contemporânea. Francisco explica simplesmente, que se fosse viver isolado no Vaticano  de acordo com a tradição  ficaria deprimido, pois não era este o seu estilo de vida. 

Ao se tornar morador da cidade de Roma, Francisco logo percebera que, durante as noites quentes ou frias daquela cidade europeia, alguns mendigos buscam refúgio nos recantos da Praça de São Pedro. Ao comemorar o seu primeiro aniversário como papa, em 2013, Francisco convidou 200 desses mendigos para jantar com ele, e promoveu a distribuição de 400 sacos de dormir aos sem-teto da cidade de Roma. Não só: orientou os seus auxiliares, que fosse feita a distribuição diária de comida àquelas pessoas, e que se providenciasse a reposição de suas roupas. 

Há 900 anos subsiste, no Vaticano, uma organização pontifícia  dirigida pelo papa  cujo nome, igualmente antigo, é "Esmolaria Apostólica". Quando Papa Francisco nomeou o cardeal polonês Konrad Krajewski para coordenar as atividades da organização, fez-lhe uma advertência inicial: não queria vê-lo fechado em seu escritório. Como diríamos, entre nós: o cardeal precisava mostrar serviço

Em 2014, o papa tomou uma iniciativa mais surpreendente, para os que ainda não o conheciam: fez instalar banheiros, todos com chuveiros, perto do local onde viviam os mendigos. 

"O que queremos   disse o cardeal Krajewsky é, em primeiro lugar, promover a dignidade das pessoas". E, demonstrando a sensibilidade de quem foi escolhido para cuidar dessas questões, ao lado do papa, explicou: "Uma pessoa que não pode se lavar, é uma pessoa socialmente excluída, e sabemos que os ‘sem teto’ não podem entrar num bar para usar o banheiro". 

Francisco não parou por aí. Também fez abrir uma barbearia gratuita para os mendigos, em local próximo à praça onde eles circulavam. O novo projeto envolveu alguns barbeiros e voluntários da capital italiana.

O coração do papa está sempre a acolher a vida e a dor de pessoas de algum modo marginalizadas da sociedade em que vivem. 

Em meio às multidões, Francisco sabe ir ao encontro dos irmãos mais pobres, das pessoas que mais precisam de atenção. Suas atitudes são inspiradas na vida de Jesus que - em seu tempo - ficava a conversar com uma prostituta à beira do poço de Jericó, curava em dia de sábado (o que era proibido pela lei judaica) e se dispôs a ir jantar com um homem rico, para escândalo de muitos. Pois não fora Ele a afirmar que "os ricos não entrarão no reino dos céus?".  

Em 03 de novembro de 2015, o papa anunciou aos que vieram à sua audiência na Praça de São Pedro, que gostaria de inaugurar a primeira Porta Santa do Jubileu da Misericórdia, na República Centro-Africana. Dom Franco Coppola, núncio apostólico residente em Banguí - a capital - falou sobre a declaração de Francisco: 
“A preocupação do Papa é, principalmente, a de expressar solidariedade às famílias que estão envolvidas numa situação de grave risco de vida. Assim, o Papa fez eco e deu voz à situação de milhares de pessoas, em Banguí, expostas à violência, sem nenhuma defesa ou proteção”. E afirmou que Francisco também queria fazer chegar o seu encorajamento à paróquia de Nossa Senhora de Fátima, a catedral da cidade que ficara ilhada, protegida pelas forças de paz da ONU; ali, três sacerdotes e um seminarista acolheram quase 700 deslocados. 

Diante da preocupação de seus assessores, com o temor de um atentado num ambiente tão hostil, papa Francisco brincou: se não desse para realizar uma viagem de acordo com as regras do Vaticano, que lhe arranjassem um helicóptero, e o fizessem descer no meio do povo, em Bonguí; pois ele não desistiria. A viagem se deu no final de novembro–2015. Quando  se adentrava na catedral de Bonguí, vendo a multidão que o aguardava diante da igreja, Papa Francisco falou de improviso

As palavras do papa certamente nos ajudarão a construir a Esperança  até onde puder alcançar o nosso olhar  caminhando juntos na contramão do medo e da desconfiança, neste mundo afundado no temor do ainda desconhecido.

“A estrada que é proposta a vocês neste momento difícil de guerra e divisão – disse o papa, em Bonguí – é o caminho da resistência. Fugir dos desafios da vida jamais é uma solução. É preciso resistir, ter a coragem para resistir e lutar pelo bem! Quem foge, não tem coragem de dar a vida”.

“E como podemos resistir? – disse Francisco, em diálogo com a multidão – Antes de tudo, rezar. A oração é poderosa. A oração vence o mal. A oração nos aproxima de Deus que é todo-poderoso.

Em segundo lugar: trabalhar pela paz. A paz não é um documento que se assina e fica na gaveta. A paz se constrói todos os dias. A paz é um trabalho de artesãos, se faz com as mãos. Se faz com a própria vida.



– Mas, como posso, eu, ser um artesão da paz? – continua o papa: Não odiar, jamais! Se alguém te faz mal, procures perdoar. Nada de ódio. Muito perdão!” Em seguida, Francisco convocou a multidão a repetir com ele. 

- Digamos juntos:
                           NADA DE ÓDIO, MUITO PERDÃO!

“Se você não tiver ódio no coração, se você perdoar será um vencedor! E será vencedor da mais difícil batalha da vida: vencedor no amor! Pelo amor vem a paz! Somente se vence pelo caminho do amor.

É possível amar o inimigo? Sim!
Podemos perdoar quem nos fez mal? Sim!

Com o amor e com o perdão vocês serão vencedores!
Com o amor, vocês serão vencedores na vida e darão vida sempre. O  amor  jamais fará de vocês derrotados,  mas corajosos no amor, no perdão e na paz!”

Ao dizer que estava muito contente de poder encontrar os jovens, Francisco finalizou: “Hoje abrimos esta Porta, que significa a Porta da Misericórdia de Deus. Confiem em Deus, porque ele é misericordioso. Ele é amor. Ele é capaz de dar a vocês a paz.” 

As palavras do papa Francisco, e o seu testemunho pessoal se transformaram em sementes de paz, plantadas em terra boa e fértil. O povo, que estava em contenda, descobriu a sua dignidade, a sua capacidade de construir a paz, e muitos aderiram ao convite do papa Francisco com sinceridade.

É um milagre, – escreveu, depois, o Cardeal Coppola, ao portal da Rádio Vaticana após a visita do Papa não houve mais nenhum grave confronto. Para os milagres – explica Coppola – se pede uma cura instantânea. Aqui ocorreu uma mudança de clima instantânea. Desde o dia da visita do Papa não houve mais nenhum combate entre as facções”.

Há uma explicação para este tipo de milagre. De acordo com o que escreve Francisco na recente “Bula de Convocação do Ano Santo”: “Ninguém pode por limites ao amor de Deus, que está sempre pronto a perdoar”.

Francisco afirma:
Deus vem para nos salvar da condição de fraqueza em que vivemos. A Sua ajuda consiste em nos   fazer sentir Sua presença e Sua proximidade. 

E finaliza: Em nosso dia-a-dia, tocados pela Sua compaixão, poderemos também nós nos tornar compassivos para com todos.”

-------------------------------------
Fontes das informações

= www.LeonardoBoff@wordpress.com – dezembro-2015;
= EstadãoEl País (português), acessados em dezembro-2015
= Rádio Vaticana - www.br.radiopvaticana.va.news/2015 

Crédito das imagens:

01 - O diálogo da paz - www.canstockphoto.com.br             
02 - O filho pródigo - divulgação imagens bíblicas
03 - O cardeal Konrad Krajewski  mostra ao papa as instalações dos banheiros dos mendigos, com chuveiros, máquinas de lavar e estendedouros. Osservatore Romano - 17/12/2015); 
04 - Francisco conversa com três ex-mendigos, em Roma;    
       www.elpais.com (foto de Pablo Ordaz);
05 - Francisco anuncia sua decisão de visitar a 
       República Centro-Africana (3/11/2015);
06 - Povo de Banguí - Rep. Centro-Africana - www.radiomaria.org.ar 
07 - Povo de Banguí com o Núncio Franco Coppola -  www.radiomaria.org.ar
08 - Nada de ódio! - www.canstockphoto.com.br
09 - Em Manila (Filipinas), Francisco, com crianças no colo (2013).  www.ihu.usininos.br


Nota: As imagens publicadas neste blog pertencem aos seus autores. Se alguém possui os direitos de uma delas, e deseja que ela seja removida deste espaço, por favor entre em contato com: vrblog@hotmail.com



Posts + Lidos

Desenho de AlternativoBrasil e-studio